Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Pré-história submersa no açude de Boqueirão


Vanderley de Brito*



Os vales de rios eram regiões atrativas para o homem primitivo, por oferecer o indispensável elemento água, oferecer pesca, terra úmida para o plantio e olarias e eram pontos estratégicos para os caçadores por atrair animais para o bebedouro. Por isso, os vales fluviais sempre são ricos em vestígios de assentamentos pré-históricos e, portanto, um campo fértil para a pesquisa arqueológica.



Na Barragem de Itaparica, construída no Vale médio do São Francisco, entre Bahia e Pernambuco, antes da construção da represa e da hidrelétrica, a CHESF promoveu, entre 1982 e 1988, um projeto de salvamento arqueológico no trecho do vale que se encontrava dentro da cota de inundação, onde foram levantados diversos sítios rupestres e feito inúmeros resgates arqueológicos.



Todavia, na Paraíba nunca foi feito nenhum trabalho de resgate nos trechos que outrora eram vales e hoje são açudes. Dentre os inúmeros açudes existentes no Estado, gostaria de chamar a atenção para o grande açude existente no vale de Carnoió. Quantos sítios arqueológicos teriam sido submersos pelas águas que se acumulam neste açude? Esta é uma questão que talvez nunca venha a ser respondida.



O nome da cidade de Boqueirão se originou de um grande corte que o rio Paraíba faz na serra do Carnoió. Neste local, onde se assenta o povoado de Boqueirão, já em fins do século XIX, o historiador Irineu Joffily já sugeria um represamento do Rio para fins de abastecimento. Construção que veio a ser realizada entre 1950 e 1956 pelo DNOCS com objetivo de abastecer d’água a cidade de Campina Grande, gerar energia elétrica e perenizar o rio Paraíba. O açude Epitácio Pessoa, ou de Boqueirão como é conhecido, foi inaugurado em 16 de janeiro de 1957 pelo então Presidente da República Jucelino Kubischek.



Já no século XVII temos registros de inscrições rupestres na área hoje submersa. O Pe. Martin de Nantes que, durante oito meses viveu catequizando os indígenas aldeados em Boqueirão, comenta ter encontrado no ano de 1660, uma grande pedra, sobre a qual estava gravada a imagem de uma cruz e na parte inferior um globo, ao lado duas figuras que não podiam ser distinguidas por causa do musgo, e uma espécie de rosário gravado.



Em julho de 1905, o estudioso do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, José Fabio da Costa Lira, realizou uma viagem de exploração na região e verificou, na margem direita do Paraíba, há três léguas ao oeste do povoado de Boqueirão, um monumento rochoso com uma grande quantidade de inscrições. Uma légua abaixo deste local, na margem esquerda do rio, viu diversos caracteres gravados num lajedo e na fralda da Serra do Carnoió, banhada pelo Paraíba, identificou caracteres gravados no interior de uma furna.



Estas são apenas algumas das notificações registrando inscrições rupestres no vale de Carnoió, antes deste tornar-se um manancial artificial, que provam que ali existe um grande número de vestígios testemunhos do passado ameríndio e paleoídio encoberto pelas águas e toneladas de material de enxurros, sem nunca ter sido devidamente registrado.



Segundo consta, a bacia hidrográfica do açude de Boqueirão cobre uma área de 12.410km2 ao longo do Paraíba e neste manancial, cujos primeiros levantamentos topográficos iniciaram-se em 1948, não houve nenhum procedimento de resgate ou levantamento. Submergindo um vasto e precioso legado pré-histórico que, talvez, nunca volte à tona. Restando-nos apenas uma imensa lacuna nos estudos da pré-história de todo aquela região caririense paraibana.



*Historiador, Presidente da Sociedade Paraibana de Arqueologia.

vanderleydebrito@gmail.com


Foto: Vanderley de Brito, com o Açude de Boqueirão ao fundo

3 comentários:

Anônimo,  26 de janeiro de 2009 14:04  

Com a construção de Açude Paraíso no município de São Francisco (Paraíba), na altura do sítio Jenipapeiro que foi alcançado pela bacia hídrica desse reservatório, inúmeras inscrições rupestres ficaram submersas.
Essas inscrições são diferentes de todas as demais até então encontradas no sertão da Paraíba. Nem mesmo em fotos de outros locais, já vi incisões idênticas as do sitio Jenipapeiro que fica próximo a Serra da Miúda (Santa Cruz - Pb) onde numa caverna ali existente soube do achado de machadinha de pedra.
As inscrições do Jenipapeiro só ficarão à mostra em anos de inverno de baixa precipitação pluviométrica, mesmo assim nos meses entre outubro e dezembro quando o citado reservatório estiver com o nível de água abaixo do seu normal.

Luiz Carlos (Sousa-Pb).

Joana DArc,  11 de fevereiro de 2009 00:50  

É uma pena mesmo não ter ocorrido nenhum salvamento arqueológico na bacia do açude. O amigo Vanderley mais uma vez nos prestigia com um artigo bastante interessante, PARABÉNS!!!

jocelio antonio 31 de agosto de 2010 19:38  

Caros amigos não podemos esqueser do açude da mae dagua sitoado na cidade de coremas sertão da paraiba que existe muito inúmeras inscrições rupestres ficaram submersas.E em volta de todo o rio pianco onde muitos anos atras era situada varias tribos de indios que foram espulso da quele lugar pelos os portugueses.
Fazenderos da quela rejião en contra varias peças antigas e infeliz mente não sabe nem o que significa,e uma pena o sertão paraibano e muito rico em
inscrições rupestres.

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos evento Arqueologia Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Cariri Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba IPHAEP Inscrições Rupestres LABAP MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Thomas Bruno Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis Itacoatiaras Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri UEPB Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAN Missões Palestra Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Boqueirão Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Cavidade Natural Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Cuité Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Fórum Permanente Ciência e Cultura Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP