Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Sítios Arqueológicos ameaçados

Estudos mostram que 39 dos 44 espaços sofrem com os vândalos
Severino Lopes // severinolopes.pb@dabr.com.br


A busca por tesouros dos antepassados tem causado danos Foto: Junot Lacet/DB/D.A Press
Daqui a alguns anos a Paraíba pode não ter mais nenhum vestígio da passagem do homem pré-histórico pelo estado. As marcas deixadas por tribos antepassadas e que ao longo dos séculos suportaram chuva e sol podem correr o risco de não resistir a ação depredatória do homem.

A Paraíba ainda é dona de um dos mais extensos e diversificados conjuntos de arte rupestre do país. Dele, conhece-se apenas uma pequena parte. Mas o suficiente para se saber que um dia o homem primitivo com seus costumes e cultura passou pelo território paraibano.

Levantamentos da Sociedade Paraibana de Arqueologia (SPA), do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e do Laboratório de Arqueologia e Paleontologia da UEPB que tem à frente Juvandi Souza Santos, revelam que a destruição dos sítios atingiu níveis preocupantes. Estima-se que mais de 50% dos sítios arqueológicos, que englobam os cemitérios indígenas já sofreram com a ação depredatória do homem. Basta ver que pesquisas desenvolvidas por Juvandi para o projeto "Mapa da Destruição" detectou nos últimos dois anos a depredação de 39 dos 44 sítios estudados. Apenas a Pedra da Boca, no município de Araruna e o Lajedo de Pai Mateus, em Cabaceiras, são alguns dos poucos sítios preservados no Estado.


Arte rupestre pode representar riqueza de conhecimento para pesquisadores Foto: Junot Lacet/DB/D.A Press
A depredação do patrimônio arqueológico do Estado segundo Juvandi, está ligada ao garimpo/mineração de rochas ornamentais, e a atividade econômica, desenvolvida em alguns municípios, como Pedra Lavrada, Junco do Seridó e Picuí que são possuidores de sítios arqueológicos com arte rupestre.

Estima-se que em todo o Estado existem cerca de 500 sítios arqueológicos com arte rupestre e paleontológicos cadastrados, mas esse número pode chegar a mil. Pelo menos mais 300 deles devem começar a ser explorados nos próximos meses. Somente no Apa da Onças no município de São João do Tigre, próximo a Monteiro, foram catalogados recentemente cerca de 50 sítios arqueológicos mas o número deve ser bem maior conforme observou o historiador Vanderley deBrito. O historiador esteve lá há cerca de 30 dias. Inicialmente encontrou o sítio intacto. Quando voltou as pedras já estavam pichadas.

Recentemente, os arqueólogos localizaram em Emas, no sertão da Paraíba próximo a Itaporanga, vários sítios rupestres em bom estado de conservação. O Laboratório do Juvandir já pediu permissão ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional para fazer escavações e pesquisas arqueológicas no local.

+ Mais

Pedras do Ingá arruinadas com a ação do homem

Cemitérios indígenas destruídos por escavações

Fonte: Diário da Borborema, 31 de janeiro de 2010

0 comentários:

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Cariri Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Thomas Bruno Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAEP IPHAN Missões Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Palestra Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Boqueirão Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP